Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
Slider Image
  • DATA06 a 22 de Outubro de 2016 - De Quinta a Sábado
  • HORÁRIO21:30
  • MORADASala Estúdio do Teatro da Rainha | Rua Vitorino Fróis - junto à Biblioteca Municipal - Largo da Universidade | Edifício 2 | 2504-911 Caldas da Rainha

Ficha Artística

Tradução de s/t | Fernando Mora Ramos
Tradução de Remaning calm | Carlos Alberto Augusto
Tradução de O homem que queria (não) ser sábio | Luís Varela
Tradução de Um Monólogo | José Carlos Faria
Direcção | Fernando Mora Ramos
Dramaturgia e direcção de Fernando Mora Ramos em 
O Homem que queria não ser sábio | Isabel Lopes
Design de Luz | Jonathan Azevedo com Filipe Lopes
Design de som | Carlos Alberto Augusto com Tiago Moreira
Interpretação | António Afonso Parra, Fernando Mora Ramos e José Carlos Faria

Ver Programa
Ficheiro em PDF

O homem que queria (não) ser sábio de Joseph Danan, Um monólogo de Gregory Motton, s/t e Remaining calm de Alvaro García de Zúñiga

“Pensa, logo sangra” inicia-se com o monólogo de Alvaro García de Zúñiga – “s/t” (que significa sem título), em função de prólogo. Através das palavras, Zúñiga brinca com o pensamento, como prática lúdica e, logo, sangra. Ainda do mesmo autor, temos “Remaining calm”, um aviso (lúdico) na catástrofe.

Segue-se “O homem que queria (não) ser sábio” de Joseph Danan, monólogo que traduz a secundarização do estatuto da filosofia, a partir da história de um professor de filosofia – um pensador, perseguindo o objecto do pensamento, a obra que foge.

O espectáculo termina com “Um monólogo” de Gregory Motton, texto que transporta a memória para o centro da acção, num assumido ataque ao presentismo de uma sociedade que esquece o legado dos antepassados.